POEMINUTO - POESIA DIVERTE

perspectiva - traços - visão - lente - focaliza - turbulência - maresia - frações 
foto de Carlos A. Garfias Mendoza

na reunião do CPL o Poeminuto  desta vez ficou assim:

8 poetas - um poema de 8 versos - criado em 8 minutos 


Escolha uma das palavras que está na legenda da foto e escreva um poema contendo 8 versos - deixe o seu como comentário e concorra a este livro.


O vencedor do Poeminuto é NATANAEL GOMES DE ALENCAR - que levará este livro de brinde. Leia os poemas no comentário.

23 comentários:

  1. Frações
    visualizadas
    na análise
    de imagem
    em
    oficina
    de
    Poema Minuto

    Cida Micossi

    ResponderExcluir
  2. F errugem
    O culta
    C ais
    A lvorecer
    L ateralidade
    I rreal
    Z inco
    Aluminio

    ResponderExcluir
  3. Traços
    gráceis
    criam aços
    para a luta
    incansável
    no papel
    contra os fatos
    diários

    ResponderExcluir
  4. Traços
    baços
    ranços
    beijos
    tronchos
    mansos
    abraços
    crassos

    ResponderExcluir
  5. Busco no horizonte
    Uma luz infinita
    Ou um raio de luar
    Como sonha um eremita
    Que ilumine minha vida
    Dê razão à existência
    Dê ao marasmo de agora
    Uma doce turbulência!
    Zenaide Abati

    ResponderExcluir
  6. Valquiria Imperiano

    Sob a ponte um suspiro
    desliza no mar das ilusões
    levando sonhos contidos
    na maresia do coração
    e o vai vem incontrolável
    do mar dos sonhos encatados
    despeja barcos nos portos
    repletos de desejos guardados

    ResponderExcluir
  7. A lente...
    Focaliza o mar.
    Revela traços!
    Através da objetiva da lente
    Surge a visão...
    Focalizando a outra margem do braço de mar.
    Após a turbulência das mares.
    O cheiro da maresia.

    Claudio Carmo

    ResponderExcluir
  8. VIAGEM

    Num pedaço de papel,
    corre a pena,
    revelando ao menino
    mundos encantados.
    São traços,
    rabiscos apenas;
    mas que rumam ao Infinito
    pelas mãos tão pequenas.

    Edweine Loureiro

    ResponderExcluir
  9. A poesia do mar
    É aquela que há
    Na maresia.
    - E quem diria?
    O poeta dirá
    Em concha e nácar
    Versos de âmbar
    Rimas de anestesia.

    Karline Batista

    ResponderExcluir
  10. Coisa de outro mundo
    Mula sem cabeça
    em cabeça de mula
    Gente dupla face
    de face no chão
    É o galo cantar
    pra ver quem fica
    Depois eu conto.

    ResponderExcluir
  11. Eunice Tomé18/11/2013 13:13

    Sob a LENTE ocular
    Um desbravar de emoções.
    Misturam sóis e luas
    No contemplar das ruas.
    São cores e movimentos
    Dobras e dobraduras.
    Me afogo em seu quebranto
    E só me resta o pranto.

    ResponderExcluir
  12. Dona Flor e seus dois maridos, ela se sabia assim

    e das Terras do Sem-fim, pra cá do Mar Morto

    trouxe Gabriela em si

    foram ásperos tempos, tempos sem maridos

    sobreviveram na Tenda dos Milagres - Jubiabá, Cacau, Cravo e Canela -

    no maldito País do Carnaval onde não há justiça, tampouco perspectiva...

    mas as duas resistem e dizem que não apenas sobrevivem:

    elas vivem, além de qualquer autor!

    ResponderExcluir
  13. FOCADA EM MIM

    A lente que mira a minha vida
    é a mesma que me deixa, às vezes, perdida.
    São indecisões
    São declarações
    São imagens passageiras
    São mãos que trafegam a semana inteira.
    Ela está lá,... ela não mente
    É a lente de Deus em nossas vidas.


    Claudinha, Saudades!
    Valeu o desafio e ela foi criada na hora mesmo, neste momento. Bjs.

    ResponderExcluir
  14. asas

    em Berlim
    ou em Passos
    o olhar
    advinha
    o amor tem pressa
    para livrar
    da queda
    o anjo do desejo.

    Flávio Machado

    ResponderExcluir
  15. Copacabana

    em noite de lua
    ao sabor do vento
    o batalhão
    de soldados de chumbo
    enfrentavam a maresia
    para guardar
    a cidade
    de um ataque corsário.

    Flávio Machado

    ResponderExcluir
  16. A falta de tolerância
    mexe com minha inteligência.
    Destrói minha benevolência
    Desperta minha ignorância
    Meu viver entra em turbulência
    Desisto da boa conduta
    Deixo que se aflorem os instintos
    Ninguém compreende minha luta

    POEMA DE LUDIMAR GOMES MOLINA (enviado por e-mail)

    ResponderExcluir
  17. VIAGEM

    Num pedaço de papel,
    corre a pena,
    revelando ao menino
    mundos encantados.
    São traços,
    rabiscos apenas;
    mas que rumam ao Infinito
    pelas mãos tão pequenas.

    Edweine Loureiro

    ResponderExcluir
  18. Em uma turbulência de emoções
    mudo minha perspectiva de vida.
    Divido o meu tempo em frações
    e olho no olho que me focaliza.

    No rosto os traços pela idade
    modificam a visão do presente.
    Cheiro da maresia, a liberdade
    captada por uma pequena lente.

    Anna Cristina Ramos

    ResponderExcluir
  19. Frações de Minutos

    Inspira-nos a vida a vivermos à luz dos dias,
    Impondo-nos, para o nosso próprio bem,
    Uma resposta rápida e à altura.

    A vida é mesmo o encontro dos desencontros,
    A comunhão dos desejos não realizados
    E das necessidades não vistas.

    Essa vida que em frações de minutos a temos,
    E perdemos.

    Luciano Marques - (enviado por e-mail)

    ResponderExcluir
  20. LENTE

    Lente? Visão!
    Turbulência? Controle!
    Pensamento? Ilusão!
    Conhecimento? Entendimento!
    Inocência? Liberdade!
    Meditação? Sabedoria!
    Momento? DEUS!

    Edite Rocha Capelo

    ResponderExcluir

  21. NOVA VIDA

    Em frações de segundos em turbulência se fez,
    e o cheiro da maresia em choro se desfez.
    A visão já não alcançava o que a lente mostrava
    seus traços a sumir parado, lá na enseada.

    Olho pela escotilha...

    Minha mente focaliza seu vulto a fitar enquanto o navio desliza.
    O som silencioso caindo, aceno, gosto salgado.
    Nova perspectiva...enterro o passado.


    Kedma O'liver


    (acho que me confundi toda...apague o que voce achar que esta menos pior kkkk e este comentario tb por favor)

    ResponderExcluir
  22. ROMANCE

    o amor do soldado
    em traços:
    perfumes-canela,
    gabriela, tereza,
    tieta e flor
    em rastros:
    maresia, calmaria
    e ternamente Amado.

    ResponderExcluir
  23. os traços de uma nota
    vasculham mãos impertinentes
    a ganAñcia leviana e a fome de uma gota
    a demanda fé do dinheiro são crentes
    e uma vida escapada sem rota
    uma vezes são frias outras são quentes
    mas a marca da riqueza não se desbota
    assim agem de mãos e mãos pacientes
    nessa alegria ou tristeza que não esgota

    carlos a.c. liberal

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.